Especial: Maria Clara, a menina que nasceu no quartel

Foto: reprodução

O Corpo de Bombeiros Voluntários de Jaguaruna celebrou ontem, terça-feira, 21, a chegada da menina Maria Clara, que nasceu dentro de uma ambulância no quartel da cidade. O parto emergencial, claro, viralizou nas redes sociais.

Nesta quarta-feira, 22, a reportagem do Portal Infosul foi atrás da mãe da recém nascida, Juliana Alves das Neves, que trabalha como auxiliar de produção em uma fábrica de biscoitos no município de Sangão. Ela e a filha continuam internadas, passam bem e aceitaram falar com o Infosul.

Segundo Juliana, ela chegou a procurar o Hospital Nossa Senhora da Conceição no domingo, 19, suspeitando que estava perdendo liquido e sentindo contrações. No entanto, o médico negou e disse que ela poderia voltar para casa. Na segunda-feira, ela voltou a procurar ajuda médica. Desta vez, foi até o Hospital Santa Catarina, em Criciúma, mas o plantonista disse que não era chegada a hora do parto e que a unidade não tinha vaga para internação. Teve que retornar para casa.

Eis que chega terça-feira, 21, e, cansada de procurar hospitais e não ser ouvida e atendida, Juliana procurou um posto de saúde de Sangão. Chegando lá, “não deu dez minutos, a médica disse que eu estava com seis dedos de dilatação e disse que eu precisava ir para o hospital”, relatou.

Então, colocaram Juliana dentro do carro do marido, Matheus, que mal conseguiu dirigir de tão nervoso. Por essa razão, pararam na delegacia do município e pediram ajuda para os agentes, que prontamente colocaram Juliana na viatura e, acionaram os Bombeiros Voluntários de Jaguaruna. Nesse momento, as contrações já estavam em dois minutos.

“Foi questão de 10 minutos no máximo, foi tudo muito rápido”, disse Juliana ao comentar o momento do parto. Ela estava com 38 semanas e três dias de gestação.  Porém, por muito pouco o momento não virou tragédia. A menina nasceu com cordão umbilical no pescoço, já estava rocha e fria. Sequer chorou.

Foto: divulgação

“Eu não lembro o nome dele, mas teve um bombeiro que não desistiu da minha filha. Ele reanimou ela até ela voltar, dar o primeiro choro. Foi o momento mais difícil de toda essa situação”, lembra Juliana ao relembrar o minuto seguinte ao parto. O Portal tentou contato com os Bombeiros Voluntários, mas não teve sucesso.

No fim, Maria Clara nasceu com três quilos, e com 43 centímetros. A neném e a mãe foram encaminhadas ao Hospital São Donato, em Içara, onde permanecem internadas. Maria Clara não precisou ir para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI), apenas ficou por algumas horas na incubadora. A expectativa é que ambas tenham alta nesta quinta-feira, 23.

“Eles [bombeiros] foram uns anjos. Só tenho a agradecer”, agradece Juliana.