Iphan promove reuniões em comunidades para o processo de tornar os botos como patrimônio cultural imaterial nacional

Foto: reprodução

Entre os dias 11 e 12 de dezembro, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – IPHAN, vai realizar junto à comunidade e pescadores, alguns debates para tratar do registro da pesca artesanal com auxílio de botos como patrimônio imaterial nacional.

Segundo a administração, o debate é uma forma de fortalecer os aspectos que envolvem a pesca artesanal e impulsionar as entidades a tomar providências de proteção ao boto.

No dia 11, às 9h, a conversa vai acontecer no Centro Cultural Santo Antônio dos Anjos; às 14h do mesmo dia, uma outra reunião será realizada no Bar Israel, no atracadouro da balsa ao lado da ilha.

Já no dia 12, outros dois encontros estão programados. O primeiro, às 9h, no Salão Paroquial de Campos Verdes e, às 14h, o segundo debate acontecerá no Molhes da Barra.

Em 2018, Laguna já recebeu pela Fundação Catarinense de Cultura, o certificado de registro da pesca artesanal com auxílio dos botos como patrimônio cultural imaterial de Santa Catarina.

Em Laguna, os botos costumam passear pelo canal que liga a Lagoa de Santo Antônio ao mar aberto. Os pescadores preparam suas tarrafas e colocam-se à beira do canal. Ao perceber a presença dos humanos, os cetáceos passam a cercar os cardumes que entram e saem da Lagoa, e os afugentam na direção dos pescadores.

No entanto, conforme a última estatística atualizada, de 2015, a população de Botos está estimada em 53 indivíduos, que habitam o canal da Barra, na região dos Molhes, Lagoa Santo Antônio e Lagoa de Mirim.