Marcele Bressane: como falar com pessoas que pensam diferentes de você?

Marcele Bressane
Foto: reprodução

Essa semana, quem acompanha as redes sociais, viu que houve várias brigas, vídeos, falando sobre posicionamento político, sobre isenção e tudo mais. Uma briga enorme, e que muitas vezes saem do âmbito político e vão para o pessoal, como término de amizades. Percebemos cada vez mais que o nosso país está rachado no meio e com a vinda de mais uma eleição, a probabilidade de isto aumentar é bem provável.

Mas será que sempre uma briga política tem que ser levada para términos e brigas pessoais? Será que nunca conseguiremos conversar sobre isso?

Eu, acho, que infelizmente, com algumas pessoas nunca conseguiremos conversar. Pois o primeiro requisito para se ter esta conversa é os dois quererem um diálogo, quererem se comunicar. E se um lado não quiser, não tem como a ver a conversa. Saiba quem está com vontade de escutar, não necessariamente de mudar de opinião, mas de escutar.

Já se você for o lado que não quer escutar. Não converse com ninguém, pois para uma conversa dar certo, o ouvido tem que funcionar mais que a boca. Assim, continue na sua bolha, senão haverá mais brigas.

Isso é importante de salientarmos, se você quer furar a sua bolha, saiba que escutarás algumas falas que você não tem acordo, que até podem não fazer sentido para você. E ok! Você furou a bolha, olha não há só pessoas no mundo que pensem iguais a você. Na verdade, há muitas mais pessoas que pensam diferente, do que igual. E é aí que vem a dificuldade, pois conversar com a bolha é maravilhoso, conversar fora dela que é o difícil. Então, saiba, não é para todos. Se você não está disposto a escutar e não criticar a ideia do outro, nem a fure!

Mas Marcele, eu consigo. Maravilhoso! Saindo do pressuposto que escutarás ideias que não tem relação com as tuas, vá para essa conversa aberto, não pensando em mudar a opinião de ninguém, pois se fores assim, o outro também vai querer mudar a sua opinião. Ou seja, não rola! Vá querendo simplesmente escutar e falar a sua opinião, leve dados, pesquisas, pessoas que falam sobre isso. Mas só as ilustre. Mostre que a sua ideia tem uma base e que você acredita nela e merece ser respeitado diante a sua fala. Contudo, escute a base do outro e depois pesquise sobre eles, quem sabe podemos juntar algumas coisas com a nossa própria pesquisa.

Não existe pessoas burras numa discussão. E sim, pessoas com ideias diferentes, culturas e formas de ver o mundo opostas. Não xingue o outro só por ele pensar diferente. Não aumente a voz, use a coerência na fala. Não fale palavrões, gaste o seu tempo de retórica, mostrando argumentos. Uma conversa saudável é pautada em responsabilidade na fala e na escuta. Se você não consegue, não converse.

Torço que todos possam sair de suas bolhas para conversarmos sobre política para o próximo ano, mas que sejam conversas para somar e não estas que estamos tendo. Mais discussões, menos brigas.

× Fale com o Infosul