Marcele Bressane: Violência doméstica

Foto: reprodução

A cada minuto uma ligação é recebida pelas delegacias da mulher no Brasil. Um minuto! Quanto tempo é seu banho? Seu almoço? Agora, observe quantas mulheres foram atrás de ajuda nesse tempo que estavas fazendo para algo para você. É um problema enorme que o Brasil tem e existe há muitos anos. É um problema social e enraizado em nosso cotidiano, tanto que nem damos mais tanta importância. Normalizou! E quando aparece alguma famosa expondo seu marido nas redes sociais, o assunto volta à tona, como se em algum momento tivesse ido embora.

Sei que é um assunto horrível, ninguém quer falar sobre. Mas também ninguém quer viver. Então, é necessário falar para isso não acontecer mais. É necessário que haja mais segurança para estas mulheres, que haja mais respeito e carinho por elas. E é sobre isso que quero conversar hoje aqui, sobre essa empatia.

Quando vi o vídeo que circulou semana passada da violência doméstica, vi muito comentários, como:

  • 1 - “Nossa, ela é linda, como passa por isso?”  Feia, linda, careca, cabeluda, toda mulher não merece passar por violência doméstica. E não é porque você a acha linda, que ela se acha. Pois em muito relacionamentos abusivos, o homem faz a mulher se sentir muito mal com ela mesma, se sentindo feia, mal. Então, ao invés disto, 'empodere' esta mulher, falando o quanto ela é maravilhosa e ele está errado.
  • 2 - “Mas estava a tanto tempo, devia gostar”. Ninguém gosta de apanhar e ser maltratada. Você gosta? Então, por que achas que outra pessoa gostaria de algo assim? Gostamos de carinho e sermos respeitadas. Muitas mulheres demoram para falarem que sofrem violência física pela falha de leis contra estas violências, preconceito da sociedade, acreditar que o outro possa melhorar, não ter dinheiro para se sustentar sem o marido. A acolha, perceba as dificuldades desta mulher e saiba que é muito mais complexo do que ‘ela gosta’.
  • 3 - “Isso não é amor”. Sim, isso não é amor. Mas para um relacionamento que já está tão machucado e desumano, isso pode ser amor. As vezes ficamos tão doentes com umas pessoas que perdemos o que é amar: nós e o outro. Assim, explique para esta mulher o que é se amar, e a apoie neste movimento
  • 4 - “Briga de marido e mulher, ninguém mete a colher”. Muitos comentários diziam que tinham pessoas junto e não ajudaram, e muito por uma cultura social que acredita que o casal tem que resolver seus problemas e até concordo com isso, mas tem um limite. E o limite é quando um dos dois está machucado e inferiorizado. Se tem alguém nesta posição, metemos a colher para salvar uma vida.

Sei que o assunto é pesado, mas não tem como ficarmos mais com dúvidas como se posicionar num assunto tão delicado. Há mulheres morrendo, e podem estar mais próximas de nós do que imaginamos. Nessa quarentena aumentou demais a violência doméstica, já que as vítimas ficaram presas com seus agressores. Violência doméstica tem que ser pauta, temos que falar sobre, para um dia não precisarmos mais.

Participe do grupo de WhatsApp do Portal Infosul e fique sempre atualizado do que acontece na região: https://chat.whatsapp.com/EhO3X1Z07wbEQ28ZrgkXvs