Municípios da Amurel acumulam mais de 4 mil desempregados desde o início da pandemia de Covid-19

Foto: reprodução

De acordo com os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, o Caged, do Ministério da Economia, ao menos 4.440 trabalhadores ficaram sem emprego formal nos últimos quatro meses na Amurel. Em contra ponto, 728 admissões foram concretizadas no mesmo período.

Os meses de abril e maio foram os que mais registraram demissões, totalizando 4.116 desligamentos. Enquanto o número de novas contratações foi de 143. A principal razão para esses números deve-se à pandemia do novo coronavírus, onde a economia sofreu com a imposição da suspensão dos mais variados setores.

Embora o resultado de empregos formais entre junho e julho tenha sido inferior ao acumulado entre abril e maio, é a primeira vez desde o início da pandemia que o resultado supera o número de desligamentos. O acumulado mostrou 585 novas admissões contra 324 dispensas.

Nesses quatro meses avaliados, o destaque positivo vai para o município de Pedras Grandes, que mesmo diante da crise conseguiu elevar o quadro de funcionários na região. Pelo menos 193 carteiras de trabalho foram assinadas na cidade, enquanto apenas oito cidadãos tiveram que assinar uma rescisão.

Já a cidade de Tubarão, entre abril e julho, ainda segundo o Caged, dispensou 1.576 trabalhadores de seus postos. No mesmo período, não houve saldo positivo na geração de empregos formais. A Cidade Azul é a que mais sofreu com os impactos econômicos provocados pela pandemia.

Dados: Gaged / Montagem: Portal Infosul

No estado, o mês de julho alcançou um recorde positivo. Em 16 anos, desde que iniciou a série histórica, que analisa dados desde 2004, foi a primeira vez que Santa Catarina formalizou 10.044 novas vagas de emprego.

Esse resultado também é o maior entre os três estados do Sul do Brasil e o terceiro mais elevado se comparado com o restante do país, atrás apenas de São Paulo, com 22.967 vagas preenchidas, e Minhas Gerais, com 15.853 novos empregos.