Pacientes com endometriose ganham cirurgia robótica como aliada no HNSC

Foto: HNSC

Ainda sem causas definidas, a endometriose vem crescendo em ocorrência na população feminina ao longo dos anos, sendo hoje classificada como a doença da mulher moderna. Isso porque os sintomas podem dificultar as capacidades da mulher para o trabalho e a autonomia, além de prejudicar sua qualidade de vida. Números recentes mostram que a endometriose acomete cerca de 176 milhões de mulheres ao redor do mundo, o que corresponde a 10% de toda a população feminina em idade fértil.

Trata-se de uma afecção inflamatória e crônica, provocada pela presença de células semelhantes às do endométrio fora do útero. Por estar localizada em uma região tão delicada, a doença depende do avanço da tecnologia na medicina para melhorar a eficácia do tratamento. Por isso, a cirurgia robótica surge como grande aliada no combate à endometriose, e um médico de Tubarão tem se destacado nessa área.

Cirurgia robótica para a população de Tubarão

O Dr. Mário Antônio Durli, cirurgião ginecológico no Hospital Nossa Senhora da Conceição (HNSC), está trabalhando atualmente em uma tese de mestrado sobre esse tema, e conduziu um estudo com 121 mulheres com diagnóstico de endometriose. “Os resultados mostraram que 33% das entrevistadas consideram que a endometriose afeta intensamente sua capacidade de realizar suas atividades regulares diárias. A boa notícia é que 87% das mulheres desse estudo puderam receber algum tratamento imediatamente, e 40% delas já consideram os sintomas controlados”, afirma o Dr. Mário.

Considerada o futuro da medicina, a cirurgia robótica permite a realização de procedimentos com movimentos precisos e seguros até mesmo em cavidades com restrição de espaço. Isso porque as pinças robóticas, ou seja, os “braços” do equipamento, têm uma precisão que as mãos humanas não conseguem atingir. O procedimento é capaz de tratar a endometriose em diferentes níveis, com intervenções minimamente invasivas e menor tempo de recuperação pós-cirúrgica.

Para se tornar um cirurgião habilitado para procedimentos com o robô, o médico precisa passar por treinamento teórico, avaliação por escrito e, ainda, atingir metas mundialmente pré-estabelecidas em simuladores. O cirurgião ginecológico do HNSC, Dr. Mário Antônio Durli, passou recentemente por essas etapas, e no último dia 13 de novembro recebeu essa certificação no Intuitive Surgical, centro especializado em robótica que fica em Atlanta, nos Estados Unidos.

Por isso, a partir de agora, todas as pacientes do Hospital Nossa Senhora da Conceição que precisarem de cirurgia ginecológica via robótica poderão ser encaminhadas para o Hospital Santa Isabel, em Blumenau, que pertence à mesma Instituição que mantém o HNSC, a Associação Congregação de Santa Catarina. Todo o procedimento terá acompanhamento do especialista tubaronense.