Prefeitura proíbe jogos profissionais na cidade e federação recoloca partida em Criciúma

Caio Maximiano
Caio Maximiano
Foto: FCF

As mudanças continuam acontecendo a todo vapor no Campeonato Catarinense. Após optar por manter o jogo do descenso, a Federação Catarinense de Futebol precisa contornar mais uma situação. A Prefeitura de Tubarão acaba de divulgar novo decreto, o 5.135 que dispõem sobre medidas para enfreamento do Covid-19, onde no Art. 4° proíbe a realização de jogos profissionais na cidade azul. Com partida marcada para terça-feira, 14, o peixe precisa realizar o jogo em outro local. O que parece já ter sido resolvido pela FCF que alterou a tabela do campeonato em seu site, inserindo o Estádio Heriberto Hülse em Criciúma como palco. Até o momento o Clube Atlético Tubarão não se manifestou oficialmente. Já o Concórdia foi pego de surpresa. A delegação já está em viagem e de acordo com informações, mesmo após ter conhecimento da mudança, o galo do oeste segue até Tubarão, devendo deslocar-se a cidade carvoeira na terça-feira.

Estatuto do torcedor contradiz mudança da FCF

De acordo com o Artigo 16 do Estatuto do Torcedor, "é dever da entidade responsável pela organização da competição: I – confirmar, com até quarenta e oito horas de antecedência, o horário e o local da realização das partidas em que a definição das equipes dependa de resultado anterior". A alteração aconteceu após as 15h de hoje, já que o decreto da prefeitura foi publicado no site às 18h12min. Diante disso, a Federação não poderia manter o horário da partida.

Tudo caminha para o adiamento da partida, assim como aconteceu com os demais jogos da tabela do Campeonato Catarinense. Há expectativa de que o Governo do Estado anuncie o cancelamento de competições esportivas por 15 dias.

Sobre a decisão da Prefeitura de Tubarão

A secretária de saúde do município tem sido parceira do clube na realização das testagens e acompanhamento dos atletas no retorno. Todos os testados tiveram resultado negativo e estão aptos a disputar a partida, no entanto, a preocupação da Prefeitura é em relação ao protocolo da própria FCF. A entidade não dispõem de fiscais e suporte nos procedimentos, o que gera insegurança, ainda mais após tantos casos serem confirmados em outros clubes participantes do campeonato. Fato que levou a decisão de adiamento da volta das quartas de finais, semifinais e final.

 

Caio Maximiano
× Fale com o Infosul