São Silvestre: tubaronense larga na elite B e aquece entre quenianos

Foto: Divulgação

A cidade de Tubarão nos últimos anos virou a capital de corredores de rua. Essa afirmação não é patenteada, mais me arrisco a disseminá-la. Basta dar uma volta na beira-rio e encontrar por toda parte praticantes do esporte. Alguns correm para emagrecer, outros para descontrair, ou por ambos ou para competir. Neste último caso a brincadeira acaba virando coisa séria e proporcionando momentos indescritíveis. Um desses momentos aconteceu hoje com um tubaronense na cidade de São Paulo. Willian Muraro da Silva, 31 anos. Dedica-se fielmente aos treinos e fruto disso, tem colhido ótimos resultados. Neste dia 31 de dezembro, último dia de 2019, participou da corrida mais charmosa do Brasil: a 95º São Silvestre. Mas não apenas participou, Willian largou na Elite B. Para ser mais específica, atrás dos quenianos. Para conseguir tal vaga é necessário ter um índice exigente em provas.

“Estou muito feliz em conquistar essa qualificação para elite, pois, sei que são poucas vagas e fica muito concorrida. Com certeza isso indica que estamos no caminho certo e podemos sonhar um pouquinho mais alto ainda”, falou o atleta.

Neste ano o grande campeão da categoria masculina foi Kibiwott Kandie. Nos últimos metros, praticamente em cima da linha de chegada, o queniano ultrapassou o jovem ugandense Jacob Kiplimo. Muraro teve o prazer de estar entre os melhores nesta manhã. “Só de ter sentido esse gostinho de estar no meio deles no bakstage, no aquecimento e na largada foi muito emocionante, sensação única!”, descreve o tubaronense. O primeiríssimo lugar bateu o recorde dos 15 quilômetros de prova cravando de 42m52s. Willian Muraro completou a São Silvestre em 54m08s. “Se tratando de tempo fiz dentro do que eu esperava, pois, sabia que não era uma prova plana e teria o desgaste da subida da brigadeiro no final”.

O ano de 2019 fechou com chave de ouro para o atleta. Em agosto foi campeão do desafio Mizuno Uphill 25k na Serra do Rio do Rastro, dentre outros títulos e troféus que estão em sua prateleira. Para 2020 os objetivos são maiores! “Talvez não consiga em 2020, mas gostaria muito de conseguir uma medalha no JASC. Se não for esse ano vou continuar treinando tentando evoluir para conseguir”, conta.

Obs: A colocação geral do tubaronense estará disponível nesta quarta-feira. Assim que publicada, atualizaremos a reportagem.

São Silvestre feminino

A queniana Brigid Kosgei sobrou e venceu a São Silvestre 2019. Por 19 segundos, a corredora queniana não quebrou o recorde da prova, anotando o tempo de 48m54s.